1 de maio de 2010

101: retornar eternamente à diferença



O eterno retorno (à diferença): um círculo rompido, uma amphisbaena 
que só engole a própria cauda se for para arrancá-la a dentadas.


[arquivo] - Este é o post de número 101 de A Navalha de Dalí, blog de Filosofia e Teoria do Direito que teve início em 02 de novembro de 2009, e completa 06 meses de existência em 02 de maio próximo.
A fim de, um só tempo, brindá-los e agradecer aos caros leitores, seguidores, assinantes, professores, amigos e alunos que vez por outra passam por aqui, e que pacientemente acompanharam o blog nessa primeira centena de postagens, disponibilizamos em um só post um interessante material de arquivo: uma compilação com os textos, entrevistas e traduções de importantes pensadores das artes e da filosofia, e que postamos durante esse semestre. Ainda, quatro ensaios nossos que foram publicados nesse período.
Se há uma regra de ouro a seguir, sempre, nas filosofias de imanência é essa: repetir e retornar eternamente (à diferença). Então, aproveite, assine o feed RSS do Navalha de Dalí, leia, dê RT, passe a seguir o blog, acompanhe-nos no Twitter (via @_mdcc) – não nos percamos de vista. Textos novos - autorais e não autorais - vêm por aí. Desejo-lhes a mais agradável leitura!

--
MDCC


Textos completos

* A vigilância do desejo, de Roland Barthes

* O cinema de Guy Debord, de Giorgio Agamben

* O que é o ato de criação?, de Gilles Deleuze

Democracy versus people, de Slavoj Žižek

 

Entrevistas

* O que resta da ditadura?, entrevista com Vladimir Safatle

* Entrevista na Revista Ñ, com Michel Maffesoli

* Entrevista na Revista Ñ, com François Dosse

* Salud mental y cultura, entrevista inédita de Michel Foucault

  

Traduções

* "O rosto", de Giorgio Agamben

* Mais além dos direitos do homem, de Giorgio Agamben

*Notas sobre política”, de Giorgio Agamben

* Žižek, repressão”, de Jean-Clet Martin

 

Ensaios

* A navalha de Gilles: Deleuze e a ruptura

* Da dobra à obra: ética de si, estética da existência, amizade e verdade em Michel Foucault

* Tríptico para um pensamento intempestivo: Nietzsche, Bergson, Deleuze

 * O plano de organização do direito como interpretação: uma hermenêutica do juízo a partir de Ronald Dworkin e Robert Alexy